27 de setembro de 2011

Sobre pés e bundas.

Lá estava eu, bem feliz com minhas novas (ins)pirações quando a tal "pessoa especial" utiliza o seu membro inferior para transferir energia cinética para minhas nádegas.

A história não tinha tanto tempo assim pra eu gostar dela. Eu nem sei se gosto mesmo dela. E provavelmente o melhor que poderia ter acontecido foi tomar esse pé logo agora no início.

Não obstante... Meu ego está completamente enfurecido! Estava envolvido. E nunca é fácil ouvir "Não é você, sou eu..." quando a gente sabe que 99% das vezes essa frase na verdade significa "Não é você, sou eu que não gosto de você"!

O fato é que, tratando-se de relações humanas, enquanto existirem pés e bundas, sempre haverá a possibilidade do choque entre eles. Algumas vezes você entrará com o pé, outras com a bunda... Nem todos os encontros de duas pessoas acabam se tornando uma relação.

Eu sei tudo isso, mas continuo puto da vida! E constantemente tento responder essa questão:


Enfim, mais uma pessoa que passa. E por mais que esteja doendo, deixou um saldo positivo. Ela despertou várias coisas que eu tinha enfiado no fundo do baú da mente e me fez tomar algumas atitudes positivas. Dentre elas postar aqui!

E agora, como diria Miguel, o barco tem que andar e é isso mesmo!!

9 comentários:

Fofa disse...

Não sei se gostei mais do seu post ou do Miguel.... rssss

Mas enfim...
Ja falei tanto né? To tentando fazer terapia de choque em vc!
PARA DE ACHAR QUE O PROBLEMA TA AI!

Falei ta?!

Adoro!

beijocas

Leonardo disse...

Fofa!

Mas TEM problema aqui! FATO!!!
Só que talvez o problema seja achar que tem problema... né???

Beijo

Fofa disse...

Ok ok, vamos lá:

Não existe vida sem problemas. A vida é resolver problemas. E com quanto mais leveza e tranquilidade a gente os encara (dando a eles o peso que eles tem), mais feliz a gente é.

Pego?

Beijocas

Eu disse...

Mude a postura. Não deixe sua região lombar tão vulnerável.

Aproveitando o momento, graças a vc e a Gis, fui incentivada de fazer a minha primeira viagem ao exterior. Obrigada, mesmo sendo sem querer.

beijos
Lu Motta

Marina disse...

Essa "pessoa especial" é difícil de ser encontrada, hein? Mas, às vezes, está tão perto... E como você mesmo disse, no comentário que me deixou: "O mundo é redondo. E gira"

Leonardo disse...

Lu,

Pé na bunda dói mas te empurra pra frente. E mesmo a dor que senti foi só no ego mesmo, porque se a coisa não flui pra um, não flui pra dois né? Melhor assim!

Mas será que devo mudar a postura ou as escolhas???

Beijo!


Marina,

Você tem toda razão. E incrível como algumas vezes esquecemos de coisas tão óbvias né? Obrigado por me lembrar o que eu te lembrei! rsrs

Beijo!!

Sisa disse...

Oi Leo...
Ontem depois de séculos eu entrei lá na Casa (que tá trancada) pra conferir uma coisa e vi atualização do seu blog - surpresa! Corri pra ver. Aí cheguei aqui e essa notícia. Tô com cara de "ahn?". Mas olha, todo mundo sobrevive a pé na bunda, e fico feliz de saber que você tá enfurecido, e não deprimido =)

Beijos!

Leonardo disse...

Oi Sisa!

Você vê? Também fiquei com cara de "ahn?"! hahaha
Mas é isso: fiquei enfurecido, dei uns tapas pra tirar a marca do pé e já estou pronto pra outra!
Devo ser meio louco mesmo! hahahaha

Beijo!!!

Petitinha disse...

Fico contente em ver disposição pra outra. Tem essas coisas, acho que pé na bunda deixa a gente mais resistente, depois da fúria claaaro. Que bom que saiu saldo positivo...gora quanto à loucura, todo mundo tem um pouco não é mesmo?
BJOKS